• Notícias
  • Clube
  • Futebol
  • Serviços
  • Clube de Vantagens
  • Inter Store
    Associe-se

    Os destaques da campanha pentacampeã da Copa São Paulo

    É campeão! Após superar o Grêmio por 3 a 1 nos pênaltis, em partida encerrada com o 1 a 1 no tempo normal, o Celeiro de Ases se sagrou campeão da Copa São Paulo de Futebol Júnior no início da tarde deste sábado (25/01), dia em que a capital paulista completa 466 anos. Agora pentacampeão do torneio, o Inter se iguala ao Fluminense como segundo maior vencedor da história da Copinha. Conquistado com autoridade, o quinto título foi erguido após campanha de nove jogos, seis vitórias e três empates. Invicto, o Clube do Povo balançou as redes adversárias em 16 ocasiões, sendo vazado apenas quatro vezes. Campanha maiúscula, construída ao longo de 23 dias, e recheada de destaques.


    Paredões colorados

    Goleiro menos vazado da competição, Emerson Júnior disputou oito das nove partidas do Inter na Copinha. Seguro sob as traves, o arqueiro ainda se provou extremamente habilidoso com os pés, destacando-se com reposições de altíssimo nível, além de participar ativamente da saída de bola colorada. Superado em somente quatro oportunidades, o camisa 1 do Clube do Povo foi fundamental em diversas ocasiões, e soube crescer na fase eliminatória. Contra Corinthians e Grêmio, por exemplo, nas respectivas semi e final, brilhou com milagres que contribuíram diretamente para os triunfos alvirrubros.

    Reserva na meta vermelha, Vitor Hugo também correspondeu quando alçado a campo nesta edição da Copa São Paulo. Titular na terceira partida da fase de grupos, disputada diante do Capivariano debaixo de intensa chuva, exibiu muita atenção e experiência para não ser enganado pela água que encharcou o campo do Estádio Antônio Lins Ribeiro Guimarães. Henrique Dias, terceiro arqueiro, merece, igualmente, reconhecimento por sua participação no grupo campeão.


    Um time bem treinado começa, também, por uma zaga encaixada

    A defesa colorada esteve em evidência nesta edição da Copa São Paulo. Titulares nas duas primeira partidas da competição e também no confronto de 32 avos diante do Volta Redonda, Pedro Henrique e Tiago Barbosa transmitiram muita segurança à Maior e Melhor Torcida do Rio Grande, que presenciou, na dupla, entrosamento digno dos grandes miolos de zaga que já vestiram o manto do Internacional.

    Convocado por Eduardo Coudet para integrar a pré-temporada do grupo profissional, Pedro retornou para Porto Alegre no início da segunda dezena de janeiro. Em seu lugar assumiu Carlos Eduardo, camisa 14 que atuara em todas as partidas da fase de grupos. Dono de excelente passe com a perna canhota, o defensor não somente manteve o alto nível da retaguarda colorada, como também acrescentou, e muito, à saída de bola alvirrubra. Adriel, de boa exibição no duelo diante do Capivariano, e Cazzetta foram os outros zagueiros relacionados pelo Inter para a competição.


    A força das alas do Clube do povo

    A torcida colorada passou boa parte do mês de janeiro agradecendo ao destino por ter convencido Lucas Mazetti e Leo Borges, laterais colorados, a escolherem o futebol, e não o atletismo. Donos de pulmão invejável, os camisa 2 e 6 do Inter deram trabalho para absolutamente todos os adversários do Clube do Povo na Copinha. O direito, por exemplo, deu assistência logo na primeira partida, contra o Confiança-PB, e repetiu o feito nas oitavas, diante do RB Brasil.

    Pela esquerda, Leonardo foi fundamental nos 16 avos, versus Desportivo Brasil, e nas quartas de final, diante do Botafogo-SP. Em ambos os duelos, de sua perna canhota a partiu cruzamento capaz de gerar grande confusão na área rival. Na primeira partida, o lateral originou jogada do primeiro gol colorado, enquanto, contra a equipe de Ribeirão Preto, a bola que alçou foi parcialmente cortada e acabou encontrando Praxedes, que anotou um golaço, abrindo o placar para o Clube do Povo na ocasião.

    Atleta da confiança do técnico Fábio Matias, o lateral-esquerdo Thális atuou em todas as partidas do Inter na Copinha. Seja jogando pelo flanco ou como meia, o jovem de 18 anos acumulou minutos em campo com a camisa colorada, e exerceu grande protagonismo nas oitavas de final, contra o RB Brasil, quando classificou o Celeiro de Ases ao converter sua cobrança, a sexta do Clube do Povo na disputa. Titular contra o Capivariano, o ala Carrijo foi outro de contribuição destacada na Copinha.

    Celeiro de Craques

    O elenco pentacampeão da Copa SP comprova a máxima de que o meio de campo é lugar para craques. Em consonâcia com o restante do time, o setor cerebral do Celeiro apresentou e também afirmou grandes nomes da equipe colorada.

    Sempre escalado com três atletas pelo centro, o Inter contou, na função de primeiro volante, com excelentes exibições de Volnei e Murilo. O primeiro iniciou a Copinha como titular e chegou a atuar como zagueiro, nas quartas, tamanha sua qualidade para defender. Já Murilo, camisa 15, agregou muito à circulação de bola alvirrubra quando alçado aos 11 iniciais, tendo, inclusive, participação decisiva no segundo gol do Clube do Povo contra o Botafogo-SP, nas quartas de final.

    Do alto de seu 1m81cm, Igor também somou grandes atuações na Copinha, a ponto de se tornar figura frequente nos confrontos decisivos por sua imposição física, fundamental nos momentos em que o Celeiro de Ases, à frente no placar, precisou se adaptar à pressão adversária. Lucas Ramos igualmente somou muitos minutos em campo, sobressaindo-se como um atleta versátil, capaz não apenas de desempenhar as três funções de meio como também jogar aberto na ponta.

    Cesinha e Praxedes, Praxedes e Cesinha. Poema para os ouvidos do povo colorado, a dupla de meio-campistas do Celeiro na Copinha encantou o país. Capitão e camisa 10, César Coelho Campos Júnior marcou três gols na competição, número que o alça ao posto de artilheiro alvirrubro no torneio. Matador e frio, o atleta teve atuação destacada nas finais, seja oferecendo assistência, como contra o Corinthians, ou balançando as redes, a exemplo do que fizera diante do Botafogo-SP.

    De sua parte, Bruno Praxedes conquistou a torcida colorada com sua afiada perna canhota. Autor de golaço logo na primeira rodada, voltou a balançar as redes, em outra pintura, já nas quartas de final. Um dos craques da Copa São Paulo, atua por todo o campo, ocupando espaços de área a área. Apesar dos poucos 17 anos, o camisa 8 demonstrou, ainda, mentalidade digna dos mais experientes praticantes do esporte bretão, sempre consciente quanto ao momento de acelerar ou esfriar o jogo.


    Pontaria afiada

    O Inter marcou 16 gols na competição, sendo nove destes anotados por atacantes. Poderosa, a linha de frente do Celeiro de Ases iniciou a Copa São Paulo tendo Matheus Monteiro, Nicolas e Caio como titulares. Camisa 7, o primeiro do trio se provou um verdadeiro ponta, acumulando, ao longo do torneio, arrancadas cinematográficas, imparáveis como a que resultou no gol colorado na grande decisão. Em números gerais, Matheus encerrou a Copinha com 3 gols marcados e 3 assistências dadas.

    De sua parte, Caio encheu os olhos principalmente dos apaixonados por futsal. Legitimo pivô, o centroavante colorado sabe usar o corpo para se impôr contra defesas formadas, muitas vezes, por zagueiros mais altos do que ele. Autor de dois gols na Copinha, titular absoluto no comando de ataque colorado, por vezes deu lugar, ao longo de partidas, para Léo Ferreira. Atacante de grande estatura, Leonardo foi fundamental para a classificação do Celeiro de Ases rumo às oitavas de final ao marcar, de letra, o segundo e decisivo gol do Inter contra o Desportivo Brasil. Luiz Henrique, titular contra o Capivariano, foi o outro avante de referência do Clube do Povo presente na Copinha.

    Camisa 11 autor de dois lindos gols no torneio, Nicolas desempenhou função muito importante para o Clube do Povo na competição. Somando 1m80cm, mostrou grande facilidade para realizar o facão, cortando da ponta para o meio, somando-se, assim, a Caio Vidal no comando de ataque colorado. Arma aérea, criou boas oportunidades por cima, mas foi com os pés que marcou, contra Linense e Corinthians, suas pinturas.

    Guilherme Pato soube tirar proveito das adversidades para crescer no momento certo da competição. Titular pela primeira vez contra o Capivariano, foi um dos principais nomes colorados na partida, conseguindo superar o afetado estado do gramado para criar algumas das principais chances do Inter no jogo. Na fase seguinte, de 32 avos, entrou em campo no intervalo para, no último minuto do confronto, atestar seu poder de decisão ao sofrer pênalti convertido por Matheus Monteiro. O camisa 19 voltou a figurar entre os 11 iniciais nos 16 avos. Diante do Desportivo Brasil, foi dele a assistência para o gol de Léo Ferreira.

    Titular na reta final da competição, Guilherme atingiu seu momento de maior brilho a partir das semifinais. Contra o Corinthians, ignorou os mais de 14 mil torcedores alvinegros que lotaram a Arena Barueri para marcar um gol(aço) e ainda servir Matheus Monteiro, autor do segundo. Na decisão, a dupla voltou a se destacar, desta vez com o camisa 7 servindo Pato, nome do tento de empate colorado. Entre as principais figuras do Celeiro de Ases na Copa São Paulo, Guilherme teve como companheiro de ataque, além dos já comentados atletas, o camisa 18 João Victor, que participou de três partidas.

    Comando experiente

    A atual passagem não é a primeira de Fábio Matias na casamata colorada. Após comandar a equipe Sub-17 no ano de 2016, foi alçado à categoria Sub-20 na temporada seguinte. Em 2018, o técnico capitaneou grande campanha do Celeiro de Ases na Copa São Paulo de Futebol Júnior, caminhada invicta e que, mesmo encerrada nas semifinais, garantiu ao Inter o posto de melhor ataque do torneio. Em 2019, à frente do Figueirense, Fábio chegou até as quartas da Copinha, comprovando sua vocação para a competição. O título, contudo, precisava vir em um Clube com o qual tem grande identificação, e deveria possuir, em seu DNA, semelhanças à história do profissional.

    Integrante do Grupo 7 da Copa São Paulo, o Celeiro de Ases concetrou na cidade de Capivari. Por conta de problemas na estrutura do estádio do município, entretanto, as partidas do chaveamento do Clube do Povo foram realizadas em Santa Bárbara d’Oeste, terra da família de Fábio. Por lá, comandante e equipe criaram a casca necessário para a continuidade do torneio e assim, pé-quente, a terra de Matias virou, também, do Inter, graças à sorte que ofereceu ao Colorado para a disputa da competição.

    Não foi só Fábio, porém, quem brilhou fora de campo. Ao seu lado, o treinador contou com equipe igualmente merecedora do título. Confira a comitiva colorada na Copa São Paulo:

    Diretor geral: Fabrício Delaix
    Diretores da categoria: Julio Vargas e Vilmar Milani
    Gerente geral: Erasmo Damiani
    Gerente administrativo: Raful Fachini
    Coordenador técnico: Rodrigo Lamera
    Coordenador de performance: Aldemir Calovi
    Supervisor da categoria: Marco Gadenz
    Treinador: Fábio Matias
    Auxiliar técnico: João Miguel
    Preparador Físico: João Goulart
    Preparador de goleiros: Leonardo Martins
    Analista de desempenho: Antônio Gabriel
    Médico: Gustavo Luz Alves
    Massagista: Marcos Copetti
    Roupeiro: Waldacir Maciel
    Fisioterapeuta: Alberto Franco
    Fisiologista: Deivid Camargo
    Psicólogo: Sergio Murilo
    Assessor de imprensa: Leonardo Fister

    Campanha do título:

    Grupo 7:

    Inter 3 x 0 Confiança-PB
    Inter 3 x 0 Linense-SP
    Inter 0 x 0 Capivariano-SP

    Segunda fase/32 avos

    Inter 1 x 0 Volta Redonda

    Terceira fase/16 avos

    Inter 2 x 1 Desportivo Brasil

    Oitavas de final

    Inter 1(6) x (5) 1 RB Brasil

    Quartas de final

    Inter 2 x 0 Botafogo-SP

    Semifinal

    Inter 3 x 1 Corinthians

    Final

    Inter 1(3) x(1)1 Grêmio